quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

No tempo da "pirataria"

No início dos anos 90 não existia em Portugal legislação relativa a direitos de autor de software. De facto nessa altura o raro era encontrar um jogo ou um programa original.

Era vulgar em Shoppings da época (Dallas - que saudades, Brasilia, Londres, etc.) a existência de lojas de venda de jogos apinhadas até à porta com teenagers à espera que o "pão quente" (jogo) saísse do forno (gravador). Estou certo que esta imagem que me traz saudades desses tempos para muitos é aterradora (ai os lucros).

Um jogo para Spectrum custava 150$00 (0.75€) ou então 300$00 (1.50€) caso fosse a capa fosse uma cópia a cores da original. Recordo-me do último dia de venda livre das cópias, com as casas a desfazerem-se das cassetes por 50$00 cada e ainda a darem algumas de borla. A maioria dessas casas fechou no dia seguinte à entrada em vigor da lei que proibia a venda de cópias.
O fecho dessas casas era inevitável. Os jogos que até aí custavam no máximo uns 500$00 (2.50€) se fossem para Commodore Amiga passavam agora a custar no mínimo 1500$00 (os antigos), sendo que os recentes eram sempre para cima dos 3000$00 (15€), como é óbvio muitos de nós deixaram de comprar jogos nessa altura... ou então compravam menos, muito menos.

Concordo que não é justo que quem desenvolva o software não tenha retorno pelo seu trabalho... mas parece-me que o retorno é um bocado acima daquele que realmente vale.

Já na altura a maioria de nós preferia um "original" (capa colorida, cópia da original) que uma cópia. Tal como tenho a certeza que qualquer um de nós prefere um original (mesmo original) a uma cópia. A questão é se o original vale o preço pedido e se há poder de compra para o original. Com menores margens de lucro provavelmente mais comprariam originais e mais lucros seriam obtidos... mas adiante...

Não vou estar aqui a discutir a legitimidade dos direitos de autor, muito menos estratégias de venda pois se fosse por esse rumo teria que mudar o nome ao blogue e um post apenas não chegaria para tratar o assunto.

Fica apenas a memória dos tempos em que comprar copia era legal. A saudade das idas ao Dallas (era sempre aí que eu comprava) e às suas lojas, Burótica, Softrum, JMS e fica também a certeza  de que se a "pirataria" na altura não existisse, não se tinham vendidos tantos Spectrums, Commodores, MSXs, Ataris etc em Portugal como se venderam... isto para não falar de gravadores... É que 150$00 por um jogo que se calhar nem prestava era uma coisa... 3000$00, 4000$ ou 5000$00 era outra bem diferente.
ainda se lembram destas cassetes??

12 comentários:

  1. AHAAAAAAAAAAAAAAAAAA... Calaste-te que nem um ratito!

    ResponderEliminar
  2. Eu também ía todos os sábados comprar um ou dois jogos à burotica ou à JMS. Não me lembrava da softrum, mas quando vi a capa abriu-se uma porta na minha memória... bons tempos... o tempo que passei no dallas...

    ResponderEliminar
  3. Gostava de saber se podem colocar aqui no blog as digitalizações das capas destas cassetes sou retro fã e adorava poder guardar isto como recordação para imprimir nas minhas cassetes antigas ,ou se possivel poder entrar em contacto com o blogger uma vez que não consigo enviar mail através do perfil e muito obrigado por estas lembranças.

    JOSÉ GONÇALVES

    ResponderEliminar
  4. Gostava de saber se podem colocar aqui no blog as digitalizações das capas destas cassetes sou retro fã e adorava poder guardar isto como recordação para imprimir nas minhas cassetes antigas ,ou se possivel poder entrar em contacto com o blogger uma vez que não consigo enviar mail através do perfil e muito obrigado por estas lembranças.

    JOSÉ GONÇALVES

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, posso fazer as digitalizações e depois colocar aqui. O único problema é ter acesso às cassetes novamente. Elas estão numa caixa que está num sítio não muito acessível. No entanto da próxima vez for busca-las para as rebobinar (manutenção) faço a digitalização das capas.
      Abraço

      Eliminar
  5. Obrigado ,já tentei inumeros vendedores on line mas sem sucesso ,alem de coleccionador sou grande fã do C.C.Dallas até porque morava a cerca de 100 metros do centro comercial e ia lá vezes sem conta pena nunca mais ter aberto,enfim é o espelho do nosso declinio como sociedade,mal possa agradeçia então um link aqui no site e obrigado por este Blog.

    Abraços.

    ResponderEliminar
  6. Já estão aqui as digitalizações das capas. Desculpa a demora mas já estavam novamente guardadas :).

    Abraços

    ResponderEliminar
  7. EXCELENTE !!
    Muito obrigado vou voltar a imprimir para a minha colecção que saudades,tenho algumas em arquivo de lojas de lisboa para quem quiser .
    Acho que estas coisas devem ficar para sempre em arquivo porque o tempo não volta atrás.
    Para podermos dizer aos nossos filhos como era a nossa infancia.

    Um Muito Obrigado mais uma vez.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá José viva,
      estou a fazer uma crónica precisamente acerca das lojas "Pirata" de software dos anos 80, haveria possibilidade de partilhar essas digitalizações?
      Obrigado

      Eliminar
  8. Fui muitas vezes ao Dallas comprar os meus jogos e se eu levasse a cassete as cópias eram a 50$00.
    Tenho algumas cassetes com a capa Softrum mas tinha a ideia que esta era a Burótica, apesar de ter umas capas também com o nome desta. Ainda sabem localizar a loja da Softrum?

    ResponderEliminar
  9. Além de ter sido cliente durante anos, trabalhei na Softrum na fase final da vida desta loja, até ser encerrada. Era algo inevitável. Tinha acabado de ser vendida pelo fundador, e os novos donos também não tinham muita fé naquilo. Ninguém os pode culpar. A procura era substancialmente inferior aos tempos áureos, e a legislação portuguesa estava em fluxo e penalizava já fortemente os abusos dos direitos de autor e a pirataria de software. Sim, porque é disso que se tratava, pirataria. Depois disso, as lojas de jogos pirata do Dallas fecharam todas, umas atrás das outras. Se não estou em erro a JMS foi a última. Entrou em saldos e por fim vendeu todos os masters. Pela última vez na vida vi uma destas lojas apinhadas de gente. No Dallas ficaram apenas as lojas que vendiam jogos legítimos para os 16 bits, bem como software e hardware linha branca PC. Tenho muitas "estórias" que podia contar sobre este tempo, não só sobre o negócio mas também sobre o próprio centro comercial Dallas, que continuei a frequentar por estar ligado a alguns dos negócios que por lá foram ficando. Bons tempos.

    ResponderEliminar
  10. Olá Pedro

    Era bom que pudesses referir algumas dessas historias :) .
    Na altura morava em casa dos meus pais e era cliente assiduo da loja Top Games ,Ex Burotica e lembro me como se fosse hoje as enormes capas de titulos de cassete onde podiamos escolher o balcão em L branco com vitrine ,2 deck duplos de casste um commodore 64 a passar o jogo DuckTales uma maquina de escrever para meter as etiquetas nas cassetes ,e varias expostas na montra para cativar os Clientes :D
    Penso que o senhor que me atendia tambem se chamava Pedro ....
    O meu irmão foi dos ultimos a frequentar o shopping ,uma vez que ele ia entregar bolos nos cafés quando houve o infame tiroteio á porta do coqueiro salvo erro....

    Abraço

    JOSÉ

    ResponderEliminar